Noticia

Dicas de vendas online para sobreviver à queda no movimento

18Mai

Dicas de vendas online para sobreviver à queda no movimento

Com o isolamento social provocado pelo coronavírus, as vendas do comércio eletrônico, o e-commerce, subiram no país. Para se adequar à realidade imposta pela pandemia, pequenos e médios negócios buscam, neste momento, aprimorar canais de atendimento online, apontam especialistas.

– As vendas digitais viraram prioridade durante a crise. As empresas têm de fazer um planejamento para escolher as melhores plataformas de acordo com cada estratégia – afirma Alexandre Machado, sócio-diretor da consultoria GS&Consult, especializada em varejo.

Entre 26 e 30 de março, as vendas online avançaram 28,8% no país, na comparação com a reta final de fevereiro, indica a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm).

Uma pesquisa do movimento Compre&Confie também detectou recente aumento nos negócios. Segundo o estudo, o faturamento do e-commerce nacional subiu 27,2% entre a chegada do coronavírus ao Brasil, em fevereiro, e o final de março. A alta é referente a igual intervalo de 2019.

A elevação resultou de uma mudança no perfil dos negócios. Em meio à pandemia, clientes passaram a procurar mais produtos de áreas como saúde e alimentação. A segunda inclui serviços de supermercados e lojas de bebidas, por exemplo.

– A demanda migrou para áreas que não eram tão procuradas antes no e-commerce – frisa o diretor-executivo do Compre&Confie, André Dias.

Segundo especialistas, pequenos e médios negócios são mais ameaçados pelas medidas de distanciamento social, já que apresentam menor fôlego financeiro para lidar com o choque na economia. Na avaliação de Dias, essas empresas podem aproveitar portais de grandes redes varejistas ou aplicativos de entrega de produtos para aumentar as vendas online. O Magazine Luiza, por exemplo, lançou uma plataforma, a Parceiro Magalu, voltada a pequenos lojistas e autônomos que desejam ofertar seus estoques.

– Em uma situação normal, seria possível criar um site próprio de e-commerce. Mas isso leva tempo. Estamos em momento crítico, e uma alternativa é vender em grandes marketplaces (shoppings virtuais) – analisa Dias.

DICAS PARA VENDER

Especialistas avaliam que o comércio eletrônico pode ajudar pequenos e médios negócios a sobreviver à crise do coronavírus. Veja dicas para as vendas.

Ofertar produtos em marketplaces (shoppings virtuais) já conhecidos pode ser o caminho mais rápido para negociar durante a crise, diz o diretor-executivo do movimento Compre&Confie, André Dias. Criar uma ferramenta própria pode levar mais tempo, e a turbulência exige decisões rápidas, acrescenta o especialista.

Avalie prós e contras de cada plataforma de e-commerce disponível. A ideia é encontrar aquela que melhor atenda a necessidades de cada empresa. "Tem ferramentas que cobram um percentual sobre cada transação, outras trabalham com modelos de mensalidades. Então, é necessário traçar uma estratégia de venda", sublinha Alexandre Machado, sócio-diretor da consultoria GS&Consult, especializada em varejo.
Redes sociais podem conectar marcas e consumidores e facilitar negócios durante a crise, frisa Fabiano Zortéa, coordenador de projetos de varejo do Sebrae-RS.

Fonte: gauchazh

(703)